Região

Norte

Particularidade

Azeitona de pequena dimensão, de cor verde-amarelado a negro-violáceo, luzidia. É consumida após tratamento, ou em salmoura.

Descrição

Fruto da oliveira (Olea europeae sativa Hoffg Link), da variedade Negrinha, consumida após tratamento, ou em salmoura. Tem cor verde- amarelada a negra-violácea, conforme o estado de maturação, forma arredondada, lisa, terminando em ligeiro bico e consistência firme. O caroço é pequeno e destaca-se facilmente da polpa, que constitui cerca de 83 % do fruto. Este tem peso de  3 a 5 g e volume de 3 a 5 cm3, em média.

História

Numa monografia de Joaquim Taborda há uma alusão à azeitona de Freixo em que se refere que "...a azeitona tem a polpa mais desenvolvida, é mais carnuda,  e com o caroço mais pequeno do que a de outras regiões do País, e tanto assim que as fábricas a preferem para conserva, comprando toda a que lhe vendam". Também Menezes Cordeiro se refere à alta qualidade da azeitona desta região, salientando a elevada cotação que atinge nos mercados interno e externo. Em 1962, João Carlos de Castro Serra refere que, em 1954, havia no Concelho 251 694 oliveiras e "... a primeira destina-se, principalmente, à produção de azeitona para conserva.  A variedade mais cultivada ‚ a "Negrinha"... . A industrialização da conserva começou pelos fins do século XIX, por iniciativa da fábrica Brandão Gomes e companhia. Naturalmente o valor da azeitona para conserva era muito maior que o da azeitona para azeite... O Brasil era o principal mercado consumidor da conserva de azeitona enlatada... A partir de 1936 aparecem três fábricas situadas em Freixo de Espada à Cinta, Lagoaça e Poiares...".

uso

Utilizada para a preparação de azeitona verde ou negra, tratadas, ou madura em salmoura. É consumida como acompanhamento de vários pratos tradicionais e, também, como aperitivo ou acompanhando certas bebidas tradicionais.

Saber Fazer

É uma azeitona que, devido às boas condições climáticas, é produzida sem recurso ao uso de pesticidas. Tem fraca aptidão para a produção de azeite e boas características para conserva. A colheita da azeitona é feita manualmente, sendo depois calibrada e adoçada. Procede-se depois ao acondicionamento (inteira, descaroçada ou recheada com produtos locais). Apresenta-se sob 3 aspectos consoante o tratamento: 1 - Azeitona tipo verde: preparada em salmoura, sendo os frutos colhidos de cor verde a verde amarelada e tratados com solução diluída de hidróxido de sódio de 1,5 a água para eliminar a soda e 2,5 %. De seguida, são lavados com  colocados em salmoura a aproximadamente 10 %, onde se produz a fermentação láctica. 2 - Azeitona negra tratada: obtida a partir de frutos não totalmente maduros, colhidos na mudança da cor verde para negro violáceo, enegrecidos por oxidação, sendo o amargo eliminado por um ou vários tratamentos com solução de hidróxido de sódio e lavados. São embalados servindo a salmoura como líquido de cobertura e conservados pelo calor ou pela adição de acidificantes. 3 - Azeitona madura em salmoura: produzida a partir de frutos colhidos em plena maturação ou um pouco antes, apresentando uma cor negra violácea uniforme. As azeitonas são colocadas em salmoura a 8 - 10 %, onde sofrem uma fermentação, durante 6 a 9 meses até perderem o sabor amargo mas mantendo o sabor de fruto. Da sua rotulagem deve constar, ainda, a menção "Azeitona de conserva negrinha de Freixo - Denominação de Origem Protegida.

Produção

A área geográfica de produção (produção, transformação e acondicionamento) é a constante do Despacho nº 47/94, de 20/01 (concelhos de Vila Nova de Foz Côa, Freixo de Espada à Cinta, Torre de Moncorvo, Alfândega da Fé, Vila Flor, Mirandela e Macedo de Cavaleiros).

Reconhecida a Denominação de Origem pelo Despacho acima mencionado.

Registada e protegida a Denominação de Origem Freixo através do Regulamento (CE) nº 1107/96, de 12/06.

Azeitona de conserva negrinha de Freixo

Denominação de Origem Protegida

Legislação

Nacional

Desp. 47/94

Comunitária

Reg. CE Nº 1107/96 da COMISSÂo de 12 de Junho de 1996

Bibliografia

Taborda, Joaquim A.R., "Freixo de Espada à Cinta (Monografia)", ed. S.N.I., 1948

Menezes Cordeiro, "Portugal - Trás-os-Montes", 1959

Serra, J. Carlos de Castro, "Elementos para a Estimativa da Produção e Determinação do Custo da Azeitona de Conserva em Freixo de Espada à Cinta", 1962.

 "Produtos Tradicionais Portugueses", Ed. Direcção-Geral do Desenvolvimento Rural (DGDRural), Lisboa, 2001

Região: 
Categoria: