A indústria vidreira em Portugal é relativamente recente, não tendo ainda atingido todo o seu potencial em termos de dimensão.

No século XVIII surge a Vidreira da Marinha Grande, indústria essa que subsiste nos dias de hoje.

Foi com a ajuda do Marquês de Pombal, através da atribuição de subsídios, que esta indústria se apetrechou, passando de uma produção marcadamente artesanal a industrial. 

A pequena dimensão desta indústria não impediu no entanto que esta se consolidasse lentamente e ajudasse Portugal a ser considerado como o segundo melhor fabricante de cristal no mundo.